Quais os benefícios que o Big Data gera para sua gestão fiscal?

Os benefícios do Big Data já estão mais que comprovados. Utilizado até por órgãos públicos para combater a sonegação fiscal, é a mais poderosa ferramenta para auxiliar a tomada de decisões e prever comportamentos.

Se você está em dúvidas sobre as vantagens que o Big Data oferece, acompanhe o artigo até o fim. Aqui você saberá:

  • como o Big Data ajuda a diminuir prejuízos;
  • da utilização como ferramenta preditiva nos negócios;
  • o que o Big Data faz pela segurança das informações;
  • casos de empresas que utilizaram o Big Data com sucesso;
  • as vantagens para a gestão fiscal em PMEs.

1. Os benefícios do Big Data ao evitar evasão de clientes

O termo Big Data já nos sugere o seu significado. Trata-se da coleta, armazenamento e tratamento de volumes de dados em escala colossal. Tais dados, por estratégicos que são, ao serem compilados e estruturados, servem de base para adoção de medidas visando a redução de perdas.

No exemplo citado acima, a Secretaria de Fazenda gaúcha utilizou volumes maciços de dados de contribuintes como forma de aumentar a arrecadação. O desafio consistia em usar um volume gigantesco de informações financeiras de empresas que estavam sonegando impostos.

O resultado da implementação da tecnologia permitiu que a secretaria passasse a processar em segundos informações que antes levavam horas ou dias para serem extraídas.

Desta forma, dezenas de setores da economia do estado da Região Sul puderam ser mapeados, ajudando a identificar fugas no padrão de arrecadação.

Estas modificações, portanto, serviram para a detecção de possíveis fraudes, possibilitando a antecipação de medidas no sentido de garantir o recolhimento dos tributos. Afinal, mais vale um contribuinte que paga, mesmo que de forma coercitiva, do que um que sonega impostos.

2. É possível prever comportamentos por meio de dados

Existem decisões que não são possíveis de serem tomadas sem antes o processamento de grandes volumes de dados. Um dos exemplos que se aplicam nesse sentido é na antecipação de fraudes.

Empresas que contam com o Big Data podem se antecipar a desvios, graças à análise de uma gama de informações que, tomadas isoladamente, não fariam sentido.

Um banco de dados poderoso o bastante pode reorganizar dados, detectando eventuais tendências que se consubstanciam em fraudes, como as que acontecem por causa de boletos não registrados.

Para a gestão fiscal, contar com ferramentas que possibilitem predizer futuras fraudes é uma ajuda preciosa. Isso porque, além das informações financeiras dos clientes, disponibilizadas pelo histórico de compras, pagamentos efetuados e até de atrasos, o uso do Big Data pode cruzar dados com redes sociais.

Como a tributação é sempre vinculada a prazos, garantir o recebimento de pagamentos é crucial. Esta garantia pode ser obtida ao prever comportamentos que só são identificados com o processamento de um grande volume de dados pessoais.

Materiais Gratuitos Soften Sistemas

3. A segurança das informações é preservada

Investir na segurança de dados é outro ponto que deve receber a maior atenção em empreendimentos de pequeno e médio porte. Em se tratando de empresas concorrentes em busca de dados sigilosos, resguardar as informações estratégicas é decisivo.

O Big Data, nesse sentido, atua como uma ferramenta preventiva. Embora firewalls e outros dispositivos de segurança virtual até certo ponto sejam eficazes contra invasores, contar com o apoio de um sistema preventivo é muito melhor.

Os dados coletados junto a outras ferramentas de análise torna possível a prevenção de ameaças iminentes. A segurança da informação, em vez de ser passiva, passa a ser também ativa.

Esta forma de preservar dados ativamente é possível graças à detecção de comportamentos de acesso suspeitos ou maliciosos. A mineração full time de dados é extremamente útil, já que potencializa ações que não seriam viáveis sem a coleta de informação em massa.

4. O uso do Big Data traz ótimos resultados

A retenção de clientes é um dos maiores desafios enfrentados por empresas que prestam serviços e vendem produtos. Prever comportamentos que levem clientes a abandonar carrinhos de compras virtuais é uma das vantagens que o Big Data oferece.

Um exemplo de uso bem sucedido do Big Data foi dado pela Caesar, empresa de jogos que utilizou um banco de dados organizado para evitar a perda de clientes.

Com o Big Data, foi possível evitar que jogadores que acumulassem muitas perdas deixassem de voltar, através do oferecimento de refeições enquanto ainda estavam nas máquinas.

Outro caso interessante foi o time de basquete Phoenix Suns, da poderosa liga de basquete norte americana, a NBA. Utilizando um sistema chamado Precision Market Insights, a direção da equipe pôde segmentar melhor suas ações promocionais.

Isto foi possível através da coleta de informações sobre onde moravam os compradores de ingressos, percentual de fãs de outras cidades e frequência de combinações entre comparecimento a jogos e treinos.

Existem muitos outros casos de sucesso de empresas que fizeram uso do Big Data e tiveram resultados espetaculares. São exemplos que, se readaptados com coerência, podem alavancar os negócios de uma forma antes inimaginável!

5. A tributação deixa de ser um problema

Já vimos que os órgãos públicos fazem uso do Big Data para prevenir a sonegação de impostos. O Ministério do Trabalho, por meio do e-Social, já está cruzando informações de naturezas diversas como forma de aprimorar as ações de fiscalização.

O que antes só era possível de detectar com a presença de um fiscal, hoje pode ser feito por uma simples varredura eletrônica.

A gestão fiscal apoiada na tecnologia impõe-se como uma necessidade, já que o governo está equipado com mecanismos de processamento de dados para prevenir e combater a sonegação.

Portanto, PMEs podem e devem estar amparadas pelos recursos do Big Data para o gerenciamento do pagamento de seus tributos e encargos.

Além do aspecto preventivo, o Big Data é um braço a mais na elaboração de uma estratégia fiscal que seja vantajosa. Mecanismos como a elisão fiscal ou a exploração de regimes tributários favoráveis podem ser melhor empregados quando se faz uso de dados coletados e processados em massa.

Os benefícios do Big Data tendem a se estender por muitas outras atividades produtivas. Empresas que desenvolvem uma cultura de gestão baseada em dados massivos certamente estarão anos luz à frente da concorrência.

O Big Data é um dos 5 hacks de gestão financeira que fazem a diferença para PMEs que precisam de apoio para se organizar. Acesse o link e saiba mais!

Conheça Soften Sistemas

Caso tenha alguma dúvida, comente abaixo que lhe responderemos!

Guilherme Volpi
Guilherme Volpi

Guilherme Volpi é CEO da empresa Soften Sistemas. Formado em Administração de Empresas, programava softwares nas horas vagas. Hoje coordena todo grupo Soften e quando sobra um tempinho escreve para o blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts de interesse