Como melhorar seus recebimentos por meio da cobrança com boletos bancários registrados

Como melhorar seus recebimentos por meio da cobrança com boletos bancários registrados

O boleto bancário é uma das principais formas de pagamento no Brasil. Desde 2015, com a decisão da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN) de abolir os boletos sem registro, a obrigatoriedade do boleto bancário registrado tem gerado muitas dúvidas entre os empresários.

A mudança passa a valer para todos os boletos ainda este ano. Portanto, sua empresa precisará se adaptar ao boleto bancário registrado. O que muita gente não sabe é que a mudança pode trazer alguns impactos positivos para os empresários.

Quer entender como funciona o boleto registrado e como é possível melhorar seus recebimentos usando a cobrança com ele? Então, acompanhe até o final e tire todas as suas dúvidas!

Afinal, qual a diferença?

Antes de mais nada, vamos entender as diferenças entre o boleto simples e o boleto registrado.

No boleto simples, o emissor (empresa que vai receber) gera o boleto sem precisar passar informações ao banco sobre o valor, data de vencimento e sobre quem vai realizar o pagamento.

Se quiser alterar qualquer um desses dados, o emissor pode fazê-lo sem precisar da aprovação do banco.

Já no boleto registrado, a empresa que gera a cobrança precisa informar ao banco o CPF ou CNPJ de quem vai efetuar o pagamento.

Além disso, o valor a ser pago e a data de vencimento são fixos. Caso sejam necessárias alterações, o banco precisa ser informado e aprovar a nova cobrança.

Outra grande diferença reside na cobrança de taxa por parte dos bancos. Normalmente, o banco cobra pelo boleto sem registro apenas quando o pagamento é efetuado.

Já o boleto registrado é cobrado a partir da sua emissão. Ou seja, se o cliente desistir da compra, o vendedor ainda tem que arcar com os custos da emissão do boleto.

Vale dizer também que, antes da notícia sobre a extinção do boleto simples, os bancos cobravam um valor mais baixo por eles.

Agora, os bancos começaram a cobrar mais pelo boleto sem registro, numa tentativa de forçar a adaptação das empresas ao boleto bancário registrado.

Como funciona o boleto bancário registrado?

Cada empresa tem a liberdade para escolher o banco de sua preferência, onde deverá manter uma conta e um cadastro.

Em seguida, utilizando um software, o emissor do boleto registra as informações sobre ele e gera um arquivo, que é transmitido ao banco.

Com a Nova Plataforma de Cobrança, todos os dados serão checados no momento do pagamento e, caso estejam corretos, o pagamento poderá ser efetuado.

Caso exista divergência dos dados, o pagamento não será autorizado e o cliente somente poderá realizar a liquidação no banco emissor.

Ele é obrigatório?

Segundo uma decisão da FEBRABAN, o boleto bancário simples como conhecemos será abolido. Ele ainda pode ser emitido, mas somente poderá ser pago na agência da instituição bancária que emitiu o boleto. Portanto, sua utilização deve ser reduzida drasticamente.

Para atender às novas diretrizes da FEBRABAN, foi criado um sistema de emissão, chamado de Nova Plataforma de Cobrança.

Essa plataforma está sendo implementada e testada. A partir de julho de 2017, a emissão de boletos acima de R$ 50 mil poderá ser feita pela Nova Plataforma de Cobrança.

Nos meses seguintes, a mudança vai chegar a boletos de outros valores até que, a partir de 11 de dezembro, todos os boletos emitidos no Brasil deverão ser registrados. Do contrário, eles só poderão ser pagos no banco que os emitiu.

Quais os riscos e desvantagens do boleto sem registro?

Apesar da grande vantagem de não custar nada para o vendedor caso o cliente desista do pagamento, o boleto sem registro possui alguns riscos e desvantagens.

Primeiro, como o banco não tem informações sobre quem vai pagar ou a data de vencimento, ele não controla o recebimento dos boletos sem registros.

Isso significa que a empresa vendedora deve manter uma gestão rigorosa sobre os boletos que emite. Do contrário, corre o risco de perder o controle sobre seus recebimentos.

Outro grande risco dos boletos sem registros é que eles podem ser fraudados mais facilmente. Como não existe nenhum registro no banco, o emissor não consegue contestar o documento.

As informações podem ser facilmente alteradas e essa flexibilidade acaba dando margem para golpes.

Materiais Gratuitos Soften Sistemas

Como o boleto bancário registrado pode melhorar os recebimentos?

Em contraste com os riscos e desvantagens do boleto sem registro, o documento registrado apresenta algumas vantagens para o consumidor e também para as empresas. Confira como ele pode melhorar seus recebimentos!

Redução de fraudes

Essa uma das maiores vantagens do boleto bancário registrado. Com ele, os dados do boleto não serão alterados com facilidade e o pagamento feito pelo comprador é direcionado corretamente.

Praticidade

O boleto registrado pode ser pago em qualquer instituição bancária, mesmo após o vencimento. Com isso, elimina-se a necessidade de emissão de 2ª via, trazendo praticidade para os negócios e para os clientes.

Gestão e controle

Com todas as informações sobre as operações e sobre os clientes sendo registradas, fica muito mais simples fazer o controle dos recebimentos.

Com isso, a empresa pode, facilmente, reconhecer clientes inadimplentes e pagamentos em aberto, além de identificar e gerenciar todos os pagamentos recebidos.

Ainda, com o boleto registrado elimina-se a possibilidade de pagamento em duplicidade e os erros de cálculo de juros e multa são minimizados.

Na prática, o que muda?

Além da necessidade de registrar todos os boletos junto ao banco, algumas outras alterações estão sendo implementadas. Veja o que muda:

  • os dados cadastrais do pagador precisam ser informados por completo: nome, CPF/CNPJ e endereço;
  • o banco deve ser informado sobre o valor e a data de vencimento de todos os boletos;
  • se as informações forem inconsistentes, será feito estorno automático;
  • os bancos podem cobrar taxa de registro, liquidação e permanência;
  • um CNPJ que pratica fraudes será bloqueado do sistema bancário imediatamente;
  • juros e multas podem ser calculados automaticamente no ato do pagamento, sem a necessidade de reemitir o boleto;
  • os boletos vencidos poderão ser pagos em qualquer bancos.

Na prática, os boletos registrados podem trazer mais custos para os lojistas e cada alteração necessária vai custar mais.

Em contrapartida, eles facilitam a gestão de recebimento, dão mais segurança e reduzem consideravelmente os riscos de fraude.

Como se adequar às novas regras?

Recomenda-se que os lojistas, empreendedores e gestores se adéquem ao novo sistema de emissão o quanto antes. Portanto, se você ainda não está emitindo boletos registrados, deve procurar uma solução para isso em breve.

Além do banco, o empresário também deverá escolher qual ferramenta tecnológica vai utilizar para realizar a emissão. Cada negócio precisará adotar um software de emissão de boletos.

Existem empresas que facilitam a emissão e permitem que os boletos sejam gerados de forma transparente e sem que o vendedor precise fazer integrações, homologação de sistemas e troca de arquivos diariamente com o banco.

Por fim, ressaltamos que, para se adaptar à emissão de boleto bancário registrado e ainda facilitar a gestão financeira e fiscal, o empresário deve buscar parcerias com fornecedores que ofereçam soluções completas, modernas e confiáveis.

Conheça Soften Sistemas

E aí, gostou de saber mais sobre o boleto bancário registrado? Aproveite para assinar a nossa newsletter e receba as melhores dicas de gestão, finanças e empreendedorismo!

Ronnie Birolim
Ronnie Birolim

Formado em Ciência da Computação, COO (Diretor de Operações) e CMO (Diretor de Marketing) na Soften Sistemas. Escreve para o blog e coordena todo o setor de marketing da empresa. Está na Soften desde 2007 e nas horas vagas curte sua família, Rock anos 90 e video games.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts de interesse