Administração fiscal da empresa: qual sua real importância?

Vinícius Braga - 28/04/2017 - 0 Comentário(s)

Podemos afirmar, sem medo de errar, que o melhor do Brasil é o brasileiro. Um grande reflexo disso pode ser visto no mundo corporativo: dá gosto ver a multiplicação de iniciativas, uma mais criativa que a outra.

Uma boa ideia, com muito trabalho duro por trás, é essencial para o sucesso de qualquer negócio. No entanto, apenas isso não basta.

Pesquisas indicam que uma a cada quatro empresas criadas no Brasil acaba fechando as portas antes de completar dois anos de funcionamento. Por que será que isso acontece?

A verdade é que muitos desses negócios sucumbem por não investirem em uma estrutura contábil e fiscal robusta.

Pensando nisso, decidimos publicar este artigo sobre administração fiscal, para que isso nunca aconteça com o seu empreendimento. Confira a seguir!

O que é administração fiscal

A administração fiscal, também conhecida como gestão tributária, é um conjunto de práticas, técnicas e saberes relacionados às obrigações tributárias a que as empresas estão submetidas.

Ela é importante porque alinha a postura da organização com as leis e regulamentos vigentes, evitando que a companhia seja autuada pela fiscalização tributária e tenha de arcar com pesadas multas.

Outra grande vantagem de ficar por dentro da administração fiscal é organizar os documentos e as finanças do negócio.

Saiba a importância da Administração fiscal de uma empresa.

Que tipos de obrigações com o fisco uma empresa tem

Todas as empresas brasileiras têm a obrigação de pagar seus tributos, mesmo as micro e pequenas corporações. Além de impostos, como o IRPJ, ICMS e ISS, a organização também tem a obrigação de recolher taxas quando utilizarem serviços públicos ou precisarem de um alvará do Poder Público, por exemplo.

As contribuições para o INSS e a contribuição social sobre o lucro líquido também representam uma parcela significativa do passivo com tributos da empresa.

Muitos empreendedores não sabem, no entanto, que além de todas as obrigações de pagar impostos, eles também estão submetidos a uma série de outros deveres. Essas atribuições não representam nenhum gasto direto para o empreendimento, mas nem por isso são menos importantes.

Assim, emitir nota fiscal também é uma obrigação tributária, mesmo que não envolva o pagamento de um boleto.

A lei também obriga a empresa a manter livros contábeis e fiscais atualizados e sem rasuras bem como prestar declarações sobre bens, rendas etc.

A desobediência a essas determinações coloca o estabelecimento em uma situação de risco fiscal, que pode ser revertida em multas e até na responsabilização dos administradores.

Os erros mais comuns na administração fiscal de uma empresa

De longe, o erro mais comum cometido principalmente por pequenos empresários é regularizar a instituição no cartório, na junta comercial ou no portal do empreendedor, imprimir a guia de recolhimento do SIMPLES Nacional e nunca mais pensar sobre a administração fiscal.

Muitos empreendedores até reconhecem a necessidade de incluir os tributos nas decisões estratégicas e no planejamento da organização, mas acabam empurrando para debaixo do tapete. Eventualmente, a situação acaba chegando em um ponto insustentável, e aí é possível que já seja tarde demais.

O que o pequeno empresário pode fazer para ganhar pontos em administração fiscal

Talvez, a atitude mais importante que o empreendedor possa fazer para aprimorar a gestão tributária da sua empresa seja se informar e estudar. Sabemos que o empresário tem de entender de tudo um pouco, e aqui não poderia ser diferente.

Saber quais impostos o empreendimento deve recolher, quais obrigações acessórias devem ser incorporadas no dia a dia da e traçar um planejamento que envolva o crescimento sustentável do ponto de vista tributário já é um bom começo.

Agora, estudar e se interessar pela administração fiscal da empresa não significa dizer que o gestor vá se tornar um especialista em contabilidade.

Por isso, outra qualidade que deve fazer parte de seu repertório é saber reconhecer quando é necessário contar com a ajuda de um profissional na área de contabilidade.

Outra medida muito importante que o gestor de um pequeno negócio pode implementar para melhorar a qualidade da administração fiscal de sua empresa é contratar um software de gestão que seja capaz de gerir notas fiscais de compras e vendas de mercadorias.

Bbem como notas eletrônicas, ajudando no controle de estoque e facilitando a apuração das mercadorias isentas, tributadas e substituídas, muitas vezes evitando a re-tributação.

Materiais Gratuitos Soften Sistemas

Parceria na administração fiscal

Sabe aquelas contas e planilhas que só você sabe manejar? Aquela famosa “bagunça organizada” em que as coisas vão bem, mas apenas o gestor sabe, ao certo, como?

Essa é uma realidade muito comum dentro de pequenas empresas, e o administrador deve se esforçar para combatê-la porque as finanças e os tributos da companhia não interessam apenas ao âmbito interno da organização.

Existem diversas situações em que há a necessidade de exibir esses dados a terceiros. Isso acontece, por exemplo, na hora de pedir um empréstimo no banco, de atrair novos sócios ou investidores e, é claro, na hora de prestar contas às autoridades fiscais.

Se as informações não estiverem padronizadas ou na forma em que a lei manda, o compartilhamento desses números fica prejudicado.

Dissemos no parágrafo anterior que o empresário tem a obrigação de conhecer o perfil fiscal de seu empreendimento.

Entretanto, a legislação tributária a que a corporação está submetida é um complexo emaranhado de regras técnicas publicadas e constantemente alteradas por todos os entes da federação: União, Estados, Distrito Federal e Municípios.

Com isso, podemos concluir que o empreendedor tem basicamente duas opções: ou contrata um contador ou faz parceria com um escritório de contabilidade. Em geral, as empresas acabam recorrendo à contratação de um escritório terceirizado, pois conseguem obter melhores resultados a custos bem menores.

Uma firma de contabilidade pode ajudar o seu estabelecimento a ficar dentro da lei, cumprindo todas as obrigações tributárias acessórias que se aplicam ao porte, ao regime tributário e ao ramo da atividade exercida. Além disso, você também não corre o risco de cair na malha fina.

Outras vantagens em contratar um escritório de contabilidade

Por fim, não podemos deixar de mencionar que a estruturação contábil e fiscal da corporação não serve apenas para reduzir o risco fiscal do negócio ou para prestar informações de forma padronizada e organizada a terceiros.

A própria empresa também se beneficia dos serviços do contador, na medida em que consegue tirar a administração fiscal do plano operacional e jogá-la para o plano estratégico. Isso mesmo! O planejamento e a tomada de decisões importantes do negócio não podem deixar de lado o aspecto contábil.

Conheça Soften Sistemas

E aí, gostou do nosso artigo? Então, assine a nossa newsletter e tenha acesso a muito mais conteúdos de qualidade!

Vinícius Braga
Vinícius Braga

É hoje responsável contábil pelo grupo Soften. Assessora também o suporte técnico da empresa quando necessário. Nas horas vagas faz judô e joga futebol. É também professor e pós graduado em Ciências Contábeis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sistema de Gestão Empresarial com Emissor NFe

           Experimentar grátis
Receba Grátis Materiais e Ebooks. Saiba como!